Azores Consumers Assotiation(351) 296 629 726Together we stand!!!   

Vencemos! Tribunal Arbitral!

Já não é uma miragem.

Falta muito. Mas um passo de gigante foi dado.

Orbigado a todos os que acreditaram.

We Protect

Athorney's office
Legal protection of consumers

Comunicado do Secretário-geral a propósito da Retoma dos Vôos de e para os Açores

mario fotoCOMUNICADO

 COMUNICADO
A situação de ontem, envolvendo uma criança de dez anos chegada de Lisboa que testou positivo ao covid 19 dá-nos muito que pensar...
Não trazemos aqui soluções prontas tão pouco dispomos de elementos bastantes para nos atrever a uma tal tarefa, mas tão só pistas para refletirmos. Quem sabe, se assim, por um lado, não conseguimos despertar algumas consciências e por outro, combater a tibiezas e faltas de lucidez que em momentos de excepção graves como o que vivemos só atrapalham! Não fazem nem deixam fazer. 
Ora, salvo o devido respeito, tempo que vivemos exige de todos nós muito mais do que isso.
E, perdoem-me a ousadia, mas começo, exactamente, por questionar, até quando, ou antes, o que será necessário para que Governos e Parlamentos Regionais, o Governo, a Assembleia e Presidente República, se entenderem e decidirem, em uníssono, pela necessidade imperiosa de legislar com firmeza impondo a quem vai de férias, no superior interesse da saúde pública, da vida, da economia e do país,  o "dever" de testar ao sars-cov-2/covid 19 na origem, vale dizer, antes de embarcar com mais 1 ou 180 passageiros; só podendo fazê-lo caso dê negativo e sem margem para dúvidas. Os inconclusivos, esses, tenham santa paciência. Deverão permanecer em terra, na sua origem, pelo menos enquanto não se esclarecer de totalmente  a sua situação particular.

manual covid 19Manual de Prevenção e Controle da Covid-19

A ACRA sentindo a falta de acessibilidade a um guia útil e convnientemente sistematizado de boas práticas na luta contra a pandemia publica o manual elaborado por uma equipa multidisciplinar coordenada por Wenhong Zhang, Líder da Equipe Especializada de Tratamento da Pneumonia Causada por Covid-19, em Xangai, Diretor do Departamento de Infectologia do Hospital Huashan, afiliado à Universidade de Fudan, professor, orientador de doutoramento. Graduado em Medicina pela Faculdade de Medicina de Xangai, foi professor convidado de pós-doutoramento da Universidade de Hong Kong, Harvard Medical School e Chicago State University. Atual Diretor da Clínica Médica da Faculdade de Medicina de Xangai, da Universidade de Fudan, Vice-Presidente da Subdivisão Clínica Médica da Associação Chinesa de Médicos, Secretário de Infectologia da Associação Médica Chinesa, Vice-Conselheiro e Diretor da Subdivisão de Prevenção e Controle de Epidemia da Associação Chinesa de Medicina Preventiva, Presidente Honorário da Associação de Médicos de Doenças Infecciosas de Xangai, Editor-Chefe da Revista “Doenças Infecciosas na China”, Editor-Chefe Adjunto de Micróbios e Infecções Emergentes e Editor-Chefe Adjunto do Jornal Internacional de Tuberculose e Doenças Pulmonares.

Descarregue aqui!

Flag of the Azores.svg

Governo Regional emana legislação ainda mais restritiva

A resolução "vem: "1 – Determinar o estabelecimento de cercas sanitárias em cada um dos concelhos da Ilha de São Miguel, ficando interditadas as deslocações entre concelhos; 2 - Interditar a circulação e permanência de pessoas na via pública, na Ilha de São Miguel; 3 - Determinar o encerramento do atendimento ao público em todos os serviços públicos, da administração regional e local, de estabelecimentos comerciais, industriais e de serviços, na Ilha de São Miguel."

O Próprio documento acrescenta as excepções admitidas e o modo de proceder em ada circunstância.

Descarregue o documento aqui!

Cadeias de Transmissão

Alterações Climáticas e Equilíbrio Mundial

cessar fogoGuterres pede um cessar-fogo internacional

Faça o que está ao seu alcance. Apoie este pedido como forma de pressão dobre os senhores da guerra em https://secure.avaaz.org/campaign/po/global_ceasefire_loc/?chjcmeb

"O mundo enfrenta hoje um inimigo comum: o COVID-19. O vírus ameaça-nos a todos, independente de nacionalidade, etnias, credos ou posicionamentos políticos. É um vírus implacável.

Ao mesmo tempo, em vários pontos do globo, persistem ou intensificam-se os conflitos armados brutais.

Os mais vulneráveis -- as mulheres e as crianças, as pessoas com deficiências, os marginalizados e os deslocados -- pagam o preço mais elevado. E atualmente correm também um risco sério e devastador devido ao COVID-19.

Tenhamos presentes que, nos países assolados pela guerra, os sistemas de saúde colapsaram e que os, já de si, escassos profissionais de saúde são frequentemente atacados. Por sua vez, os refugiados e as pessoas deslocadas por conflitos violentos, encontram-se em uma situação de dupla vulnerabilidade. A fúria do vírus põe em evidência a loucura da guerra de uma forma muito clara.

É por isso que hoje apelo a um cessar-fogo mundial e imediato, em todas as regiões do mundo. É tempo de acabar com os conflitos armados e de, em conjunto, focarmo-nos na verdadeira batalha das nossas vidas."

 



The demand for food continues to rise

Will we managed to get the job?

Hoje, de acordo com a estimativa mais recente das Nações Unidas, são 7,3 mil milhões — e poderão ser 9,7 mil milhões em 2050. Este crescimento, aliado à melhoria dos rendimentos nos países em desenvolvimento (que leva a mudanças na dieta, como o consumo de mais proteínas e carne), intensifica a procura global de alimentos.

Espera-se que a procura de alimentos aumente de 59% a 98% entre 2005 e 2050. Este crescimento determinará de maneira nunca vista as características dos mercados agrícolas.

Agricultores por todo o mundo precisarão de aumentar a produção, quer aumentando a área dos terrenos agrícolas, para que haja colheitas maiores, quer reforçando a produtividade nos terrenos agrícolas existentes através de fertilizantes, irrigação ou adoção de métodos novos, como a agricultura de precisão.

Contudo, as desvantagens ecológicas e sociais de desflorestar mais terrenos para a agricultura são normalmente elevadas, particularmente nos trópicos.

E, neste momento, o rendimento agrícola — a quantidade de produto colhido numa dada superfície cultivada — cresce demasiado lentamente para corresponder à procura prevista de alimentos. Muitos outros fatores, da mudança climática à urbanização e à falta de investimento, também dificultarão a produção de comida suficiente.

Existe um forte consenso académico de que a escassez de água, provocada pela mudança climática, o aumento da temperatura global e as condições atmosféricas extremas terão efeitos severos a longo prazo no rendimento agrícola.

Prevê-se que tenham impacto em muitas das maiores regiões agrícolas, especialmente as próximas do Equador. Por exemplo, o estado brasileiro de Mato Grosso, uma das regiões agrícolas mais importantes do mundo, pode enfrentar uma redução entre 18% e 23% em soja e milho em 2050, devido à mudança climática.

O leste da Austrália e o Midwest americano — duas outras regiões globalmente importantes — podem também sofrer um declínio substancial na produção agrícola devido ao calor extremo. Prevê-se, contudo, que algumas regiões beneficiem (inicialmente) com a mudança climática.

Países que se estendem pelas latitudes norte — sobretudo a China, o Canadá e a Rússia — experimentarão, segundo as previsões, épocas de cultivo mais longas e quentes em algumas regiões.

A Rússia, que já é um grande exportador de cereais, tem um imenso potencial não explorado de produção devido a grandes lacunas de produtividade (a diferença entre a produção atual e a potencial, nas condições atuais) e cada vez mais terrenos de cultivo abandonados (mais de 40 milhões de hectares, uma área maior que a Alemanha) depois da dissolução da União Soviética em 1991.

Este país tem, indiscutivelmente, a maior oportunidade agrícola do mundo, mas serão necessárias reformas institucionais e investimento significativo na agricultura e infraestruturas rurais para o realizar. Logística avançada, transporte, armazenamento e processamento também são cruciais para garantir que os alimentos são transportados dos locais onde são produzidos em abundância para aqueles onde não são.

É aqui que as empresas que comercializam produtos agrícolas de base, como a Cargill, a Louis Dreyfus e a chinesa COFCO, entram em cena. Enquanto as empresas de “Big Food”, como a General Mills e a Unilever, têm uma influência global tremenda no que as pessoas comem, as intermediárias têm um impacto muito maior na segurança alimentar, porque obtêm e distribuem os nossos alimentos básicos e os ingredientes usados pelas outras, desde o arroz, o trigo, o milho e o açúcar aos grãos de soja e ao óleo de palma.

Também armazenam periodicamente grãos e oleaginosas para que possam ser consumidos todo o ano, e processam os produtos básicos que serão usados mais abaixo na cadeia de valor. Por exemplo, o trigo tem de ser moído em farinha para fazer pão ou massa, e os grãos de soja têm de ser triturados para produzir óleo ou comida para os animais.

Mesmo que algumas regiões aumentem a sua produção e os comerciantes reduzam a discrepância entre oferta e procura, duplicar a produção de comida por volta de 2050 será inegavelmente um grande desafio. As empresas e governos terão de trabalhar em conjunto para aumentar a produtividade, incentivar a inovação e melhorar a integração em cadeias de abastecimento, para criar um equilíbrio sustentável.

Sobretudo, os agricultores, as empresas intermediárias e outros grupos de processamento têm de se comprometer em cadeias de abastecimento sem recorrerem à desflorestação. Esta causa uma rápida e irreversível perda de biodiversidade, é a segunda maior fonte de emissão de dióxido de carbono a seguir aos combustíveis fósseis e contribuiu significativamente para o aquecimento global — aumentando a pressão negativa na produção agrícola, razão pela qual, originalmente, a desflorestação ocorreu.

Os agricultores também têm de cultivar mais na terra em que operam atualmente através da chamada “intensificação sustentável”. Isso significa usar ferramentas agrícolas de precisão, como a dispersão de fertilizantes por GPS, sistemas avançados de irrigação e rotações de colheitas ambientalmente otimizadas.

Estes métodos podem ajudar a obter mais rendimento agrícola, sobretudo em partes de África, América Latina e leste da Europa, com grandes lacunas de produtividade. Também podem evitar o esgotamento das águas subterrâneas e a destruição de terrenos férteis pelo abuso de fertilizantes.

O sector agrícola precisa de importante investimento privado e despesa pública a longo prazo. Muitos dos grandes investidores institucionais, incluindo fundos de pensões e fundos de investimento soberanos, estabeleceram nos últimos anos compromissos importantes para apoiar a produção agrícola global e a comercialização — nem que fosse porque os investimentos agrícolas têm, historicamente, oferecido boas receitas.

Ainda assim, o investimento agrícola em muitos países em desenvolvimento diminuiu ao longo dos últimos 30 anos e gasta-se muito menos em investigação e desenvolvimento, em comparação com os países desenvolvidos — resultando em baixa produtividade e estagnação da produção. E, como a banca nos países em desenvolvimento concede menos empréstimos aos agricultores (comparando com a quota da agricultura para o PIB), os investimentos, tanto dos agricultores como das grandes corporações, ainda são limitados.

Para atrair mais financiamento e investimento para a agricultura, os governos devem reduzir os riscos envolvidos. Os reguladores têm de rever as políticas — como os limites máximos das taxas de juro e os créditos com condições especiais — que limitam a inclusão de pequenos agricultores no sistema financeiro. Políticas mais amigas e despesa pública em infraestruturas ajudarão a criar um clima de investimento favorável à agricultura.

Os legisladores a nível global, as corporações e os consumidores devem colocar o equilíbrio alimentar global no topo das suas agendas. Os líderes empresariais internacionais que participam nesta cadeia de abastecimento têm de comunicar melhor a necessidade de mudanças políticas e de os países desenvolvidos incentivarem o investimento em regiões onde há maior potencial de crescimento. A nossa segurança alimentar dependerá disso.

PICO
Destaques do Dia

Últimas Notícias

Foi a denúncia da ACRA que levou à descoberta do desvio de 1.347.000 euros

Inicia-se dia 30 em Ponta Delgada, aquele que poderá ser o julgamento da década nos Açores, pelo valor envolvido (1.347.000 euros) e pelas consequências políticas que poderá vir a...

Ler mais...
ACRA em defesa de Antigos clientes da Açoreana Seguros

A ACRA sai em defesa dos antigos clientes da Açoreana Seguros que foram apanhados de surpresa com a comunicação por parte do Santander de que haviam sido denunciados unilateralmente os seus seguros...

Ler mais...
Recolha do Peugeot, modelo Partner III

A “Peugeot Portugal Automóveis, S.A." está a levar a cabo uma campanha de recolha de alguns veículos de passageiros da marca Peugeot, modelo Partner III, produzidos entre 28/04/2016 e 05/07/2016,...

Ler mais...
Recolha do Mitsubishi L200

A “MBP Automóveis Portugal, S.A." está a levar a cabo uma campanha de recolha de alguns veículos de passageiros da marca Mitsubishi, modelo L200, produzidos desde 25/07/2005 até 23/04/2015, dado que...

Ler mais...
Não utilize o mesmo pin para todos os cartões

É muito frequente verificar que a maior parte das pessoas utiliza o mesmo PIN em todos os cartões, sem saber os perigos que isso pode ter. Se um ladrão lhe roubar a carteira, depois de o ter visto...

Ler mais...
Novos requisitos dos contadores de água e gás, taxímetros e analisadores de escape

Legislação recentemente aprovada (Decreto-Lei n.º 45/2017) prevê também novas coimas (entre 1000 e 3740 euros para pessoas singulares e 2500 e 44.890 euros para pessoas coletivas) para quem utilizar...

Ler mais...